Ponta de Flecha: Uma aventura sênior!


Ponta de Flecha Sênior 2017 - foto oficial

Entre os dias 2,3 e 4 de junho aconteceu em nosso estado o Ponta de Flecha direcionado, exclusivamente, ao Ramo Sênior. Participa desta atividade somente monitores e sub-monitores. Nossas guias Beatriz Mello, Thamirys Francez e Vitória Campos representaram, com determinação, o 11º/ES Grupo Escoteiro do Mar Ilha de Vitória. As jovens, sob a supervisão do chefe Luciano Raposo, partiram na noite de sexta-feira, dia 2 de junho, rumo a Aracruz, onde se encontrariam com os demais grupos para dar início a mais uma aventura.

O local ficava nas proximidades de Aracruz, os jovens andaram aproximadamente 18Km de estrada de chão até chegar onde seria montado o acampamento.

Além do Ilha, participaram deste evento os seguintes grupos escoteiros:

  • 2º/ES Grupo Escoteiro Loren Reno, de Cariacica,
  • 6º/ES Grupo Escoteiro Baden Powell, de Cachoeiro de Itapemirim,
  • 7º/ES Grupo Escoteiro Agenor de Souza Lé, de São Mateus,
  • 16º/ES Grupo Escoteiro Barão de Teffé, de Vila Velha,
  • 23º/ES Grupo Escoteiro Nhambu, de Ecoporanga,
  • 25º/ES Grupo Escoteiro Jequitibá, de Aracruz,
  • 34º/ES Grupo Escoteiro Mimoso do Sul, de Mimosos do Sul e o
  • 35º/ES Grupo Escoteiro de Linhares, de Linhares.

  O primeiro desafio!

Antes de iniciarem as atividades, foram montadas as patrulhas. Mas ao contrário do que os jovens esperavam os grupos foram misturados para que pudessem interagir com seniores de outros grupos escoteiro. Neste momento há um desconforto, bate uma insegurança, e vem o primeiro desafio, trabalhar em uma equipe com pessoas diferentes. E agora? Tanta expectativa e já vem a decepção! Sair da zona de conforto.

Mas e tudo aquilo que é passado desde o Ramo Lobinho? Neste momento “dá branco”? O que é o escotismo? Não é uma irmandade? Unidos por um mesmo ideal? O trabalho em grupo, um ajudando o outro, novas amizades, trilhar novos caminhos, desconhecidos? É…não dá para desistir! A escolha é ficar e seguir com a aventura. Vamos em frente!

Passado este primeiro momento, patrulha reunida, começaram as atividades.

Estávamos todos atônitos e até assustados, sem saber o que nos esperava, separados dos integrantes do nosso grupo e sem noção qualquer do que faríamos.

Thamirys Francez – Guia

  Aventura, coragem e muita determinação

A primeira atividade era uma caminhada de 14Km, uma subida ingrime de 2.500 metros ao Monte Serrat e depois a descida de Rapel. Eram atividades exaustivas! Eles faziam a própria comida, montaram o acampamento, com o material retirado do local, da natureza e dormiam pouco. Realmente é preciso ter muita persistência e coragem para passar por tudo isso!

Foi então que todo esse esforço trouxe sentido a tudo isso: o propósito das atividades não era questão de competição, mas sim trabalho em equipe. Colocava em questão também que tipo de líder cada um quer ser e até onde está disposto a ir para se tornar melhor para sua tropa. Pois como o próprio nome sugere Ponta de Flecha – guiando os demais patrulheiros a sua base, concluiu a guia Thamirys.

  No final, na cadeia da fraternidade, olhei para cada um ali, de sênior/guia até os chefes, e senti um orgulho enorme, um orgulho por eles e um orgulho de mim, por me deixar fazer parte de um movimento tão lindo quanto o escotismo. Porque, no final, só as memórias que ficam, e com certeza as minhas memórias do Ponta de Flecha foram as melhores possíveis!

Thamirys Francez – Guia

 Fotos e vídeos

Além das fotos dessa página, você pode ver outros flagrantes do evento no álbum correspondente em nossa página no flickr .

Além disso, você pode clicar nos links abaixo para acessar os três pequenos vídeos de lembrança do evento produzidos pelo Chefe Luciano Raposo disponíveis em nosso canal no youtube :


Redação: Graziela Oliveira, Edição: Jodelson Sabino, Fotos: Luciano Pantera, Luciano Raposo e Rosa Altoé