Anabelle e o Cruzeiro do Sul: Lembranças de uma manhã inesquecível


Anabelle recebendo o Cruzeiro do Sul

Anabelle e seus pais em 5/11/2016: Lembrança da felicidade ao conquistar o distintivo de mais alto grau do Ramo Lobinho

 

Encerrando o ano de 2016 o 11º/ES Grupo Escoteiro do Mar Ilha de Vitória teve a satisfação de entregar à lobinha Anabelle Leite Batista, no dia 5/11/2016, o distintivo de Cruzeiro do Sul. A maior conquista para este Ramo.

Logo após o I.B.O.A. do VII Acampilha, na presença da alcateia, dos escoteiros e seniores, a jovem recebeu das mãos de sua Akelá, Sylvia Lessa, seu tão esperado distintivo.

Anabelle ingressou no Movimento Escoteiro em 2013. Segundo sua mãe ela aguardou ansiosa completar a idade para, finalmente, entrar para o Ramo Lobinho.

Anabelle seguiu os passos da irmã mais velha que entrou como escoteira e chegou até o Ramo Pioneiro 

Renata Leite Gonçalves, mãe da Escoteira Anabelle

Como lobinha, Anabelle sempre foi muito comprometida e responsável. Fazia questão de participar das atividades e não gostava de faltar aos encontros. Na conquista de seus muitos distintivos, a jovem lobinha envolveu também seus pais que a apoiaram e acompanharam seu crescimento na alcateia.

Sua trajetória foi desde o início, repleta de coragem e sacrifícios: “Nos primeiros acampamentos sofria eu e Anabelle! Somos muito agarradas e ela tem dificuldades em experimentar comidas que não conhece”, disse sua mãe.

Especialidades

Nos três anos que esteve no Ramo Lobinho, Anabelle recebeu de sua Akelá dez distintivos de especialidades:

  • Natação,
  • Criação de animais de estimação,
  • Entrega de mensagens,
  • Informações turísticas,
  • Coleções,
  • Etiqueta,
  • Canoagem,
  • Música,
  • Decoração e Dança

… mas ela queria mais! Agora sua meta era conquistar o mais alto distintivo do Ramo Lobinho: As estrelas douradas que fazem os olhinhos dos lobinhos brilharem. Chegou a hora do Cruzeiro do Sul!

 Corrida contra o tempo

“Foi uma corrida contra o tempo!”, disse Renata. Anabelle estava próxima de completar 11 anos e passar para o Ramo Escoteiro, e, uma vez escoteira, não poderia mais conquistar o distintivo de Cruzeiro do Sul.
Mas a lobinha aprendeu bem os ensinamentos do escotismo e foi atrás de seu sonho. Mesmo diante de adversidades fez a pesquisa dos requisitos exigidos e com a ajuda de seus pais elaborou o relatório que precisava entregar para então conquistar o Cruzeiro do Sul.
Anabelle mostrou todo seu interesse e empenho para merecer seu distintivo e teve ao seu lado sua família que a apoiou e a dedicação de Chefe Sylvia Lessa que carinhosamente a orientou em sua trajetória.

Parabéns Anabelle, bravo, bravo, bravo!


Redação: Graziela Oliveira, Edição: Larissa Gastmann, Jodelson Sabino e Graziela Oliveira, fotos: Frank Komati